mapa da clínica ágape

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

SURGIMENTO
A Microfisioterapia foi desenvolvida na França, na década de 80, por dois Fisioterapeutas e Osteopatas, Patrice Benini e Daniel Grosjean, que desenvolveram ao longo de mais de 30 anos, mapas do corpo humano baseados na Embriologia (estudo do desenvolvimento do embrião), na Ontogenia (estudo do desenvolvimento das células em um determinado organismo) e na Filogenia (estudo da relação evolutiva entre as espécies). Além disso, o desenvolvimento das técnicas aplicadas durante o tratamento, foram baseadas nos princípios da Física Quântica e da Homeopatia.


BASES DA MICROFISIOTERAPIA
1        Auto-Cura – é função e capacidade de todos os seres vivos. Através dessa função, de fazer algo por ele mesmo e para ele mesmo, o corpo pode reconhecer seu agressor e se defender, mas quando a agressão é muito forte ou chega de surpresa e o corpo não reconhece o agressor, esta capacidade de se defender não se manifesta e os sintomas da doença se instalam. O terapeuta, através de palpações específicas, mostra ao corpo do paciente a origem da agressão para que então se inicie o mecanismo de auto-cura.

2        Cicatriz Patológica – é o vestígio deixado pelo agressor no corpo. Isto acontece quando o corpo tenta reparar e se curar de uma agressão, mas não consegue eliminar o agente agressor por uma deficiência do sistema imunológico ou porque a agressão foi muito forte. Esta cicatriz deforma a célula e/ou o tecido, atrapalhando suas funções. O local onde a cicatriz se instala, se caracteriza pela diminuição ou perda de vitalidade do tecido, e então desencadeia os sintomas.

3        Correção Homeocausal – De acordo com o grande princípio da homeopatia, o gesto da correção será efetuado sobre o local da porta de entrada da agressão (sobre a cicatriz patológica) e será o menor possível, de maneira infinitesimal (micro). De acordo com esse princípio, o organismo só pode desenvolver mecanismos de auto cura, se ele próprio reconhecer qual é o agressor. Dessa forma, a correção é realizada através das mãos, informando o organismo qual agressor foi responsável por gerar tal sintoma.

4        Micropalpação – é o gesto utilizado pelo terapeuta para trabalhar. É sempre utilizada as duas mãos em um movimento de aproximação entre elas. É a sensação entre as duas mãos que diz se o ritmo vital esta em bom estado de funcionamento dos tecidos ou se há perda de ritmo vital. Assim como na Homeopatia aonde se utiliza a diluição do medicamento, a Microfisioterapia faz o uso da diluição palpatória (micropalpação) durante o tratamento.



MICROFISIOTERAPIA E CIÊNCIA
O primeiro trabalho realizado foi  em 1982, no departamento de gastroenterologia do Hospital Universitário de Bensançon (França). Foi uma pesquisa considerada do tipo A, que utilizou o chamado duplo-cego, aonde 30 pacientes foram tratados com placebo e outros 30 com a Microfisioterapia. Todos sofriam de colopatias (patologias intestinais que causam constipações, dores, diarreias e etc). Dos pacientes que foram submetidos à Microfisioterapia, 76% tiveram as atividades do intestino reabilitadas. Isso só aconteceu com 34% do grupo que recebeu placebo.
Outro trabalho importante foi realizado em um centro especializado em crianças na França, que tiveram histórico de agressão sexual. Nesse centro, as crianças eram atendidas por Fonoaudiólogos, Pediatras, Psiquiatras e Psicólogos. As crianças foram avaliadas permanentemente com questionários e a equipe percebeu que tinham uma evolução de 2% de desenvolvimento ao ano. Quando a Microfisioterapia foi introduzida no local, foram realizadas sessões em 250 crianças de 0 a 3 anos, posteriormente 3 a 8 anos, 8 a 12 e acima de 12. Após um ano de pesquisa, com a introdução da Microfisioterapia, chegaram à resultados de 80% de evolução no desenvolvimento dessas crianças.
Também foi pesquisado sobre a atuação da Microfisioterapia em dores lombares (lombalgias). Foram submetidas ao tratamento 300 pessoas com essa sintomatologia. Após o trabalho da Microfisioterapia, os números revelaram benefícios importantes aos pacientes. Seguem alguns números percentuais:
Nível de evolução em dores lombares:
  • – 21 indivíduos apresentaram nível de melhora entre 1% e 25%;
  • – 37 indivíduos apresentaram nível de melhora entre 26% e 51%;
  • – 46 indivíduos apresentaram nível de melhora entre 51% e 76%;
  • – 105 indivíduos apresentaram nível de melhora entre 76% e 100%.
O restante dos pacientes não apresentaram resultados satisfatórios (apenas 12% dos participantes).
Além desses trabalhos, já foram feitos mais de 42 experimentações validadas pela ciência. Boa parte dos trabalhos científicos publicados pode ser encontrado nesse link: www.microkinesitherapie.com/index.php?lang=fr
Obs: os artigos se encontram na língua francesa.
No Brasil, os trabalhos científicos estão sendo iniciados pois o método tem apenas 10 anos de presença em nosso país. O precursor da Microfisioterapia no Brasil é o Fisioterapeuta Dr. Afonso Salgado, PhD em Neurociência pela UNISUL e Doutor em Engenharia Biomédica pela UNICASTELO.
Algumas pesquisas no Brasil já apontam resultados no grau de variabilidade cardíaca através da avaliação do Sistema Nervoso Autônomo. Esse padrão é avaliado após as sessões de Microfisioterapia.


INDICAÇÕES
Quanto as indicações para a realização do tratamento, existem diversas e de sintomas distintos, desde alergias, dores crônicas, quadros de ansiedade, depressão, síndrome do pânico, enxaquecas, distúrbios do sono entre outros. Essa variável de aplicabilidade se da pelo fato de a Microfisioterapia trabalhar a nível de reprogramação celular, logo que, todos os sintomas e doenças conhecidas pela medicina, são causados por problemas e dificuldades das funções celulares do organismo.
No método, chamamos de Entropia, toda fase de funcionamento e degradação celular, e Negantropia, toda fase de reconstrução e renovação celular. Esse ciclo de desgaste e renovação celular ocorre durante todos os dias de nossas vidas em todos os orgãos e tecidos, sendo um mecanismo fisiológico do organismo. Sendo assim, quando esse ciclo está perturbado, seja por causas emocionais, traumas físicos ou por toxinas, os sintomas e doenças começam a aparecer.
Diante disso, é concluído que a Microfisioterapia é uma terapêutica preventiva indicada para qualquer pessoa que tem o objetivo de otimizar o funcionamento do seu organismo como um todo, pois o método trabalha em um nível global do corpo humano, através de reprogramações celulares, fazendo com que o ciclo de funcionamento e reconstituição celular entre em equilíbrio, e dessa forma prevenindo e tratando diversas patologias e sintomas. As indicações de idades variam desde recém nascidos até a 3a idade.

COMO É REALIZADA A SESSÃO
Uma sessão de microfisioterapia dura cerca de 30 a 45 minutos. Após ter exposto as razões da consulta na anamnese, o paciente, ainda vestido, se deita sobre uma maca. O Microfisioterapeuta vai primeiro localizar e identificar as cicatrizes que obstruem o corpo realizando o controle dos ritmos vitais. Ao detectar uma perturbação, ele vai usar palpações sutis para re-informar o organismo da presença desta cicatriz. Assim, o corpo vai reencontrar a memória do problema e concentrar-se nela para eliminá-la definitivamente. O paciente permanece deitado durante a sessão e vai receber as informações dos bloqueios encontrados. Já nesse momento o corpo pode iniciar o processo de reconhecimento e eliminação do agressor, sendo que muitas vezes o paciente pode sentir cansaço e sonolência antes que a sessão acabe. Geralmente são preconizadas 3 sessões para o sintoma do paciente, com intervalo mínimo de 30 dias entre as sessões.
EXISTEM REAÇÕES APÓS AS SESSÕES?
O trabalho que o corpo inicia vai provocar um ligeiro cansaço durante 1 ou 2 dias. É indicado que o paciente descanse após a sessão (não fazer esforço físico desnecessário, não dirigir por um longo período de tempo…). Para que este cansaço seja mínimo, é aconselhado ingerir de 1,5 a 2 litros de água por dia nos próximos dias que seguem a sessão, para facilitar o trabalho de eliminação e desintoxicação do corpo. Podem ocorrer também os sintomas físicos como diarréia, febre, crise emocional ou sentimento de raiva por um ou dois dias. Isso acontece como sinal de liberação das memórias agressoras, onde o paciente deve então descansar e deixar o sistema imunológico trabalhar com o mínimo de interferência medicamentosa possível, não esquecendo de se hidratar.


EVOLUÇÃO DO MÉTODO
A Microfisioterapia está sob evolução contínua, sendo que os criadores do Método ainda continuam desenvolvendo atualizações dos mapas embriológicos para que o tratamento seja elaborado da forma mais ampla possível. A elaboração dos novos mapas e novas técnicas também se da pelo fato de que nosso organismo cria e desenvolve centenas de maneiras de defesas e formas de reações perante aos eventos traumáticos vividos e não superados. Dessa maneira, conforme as patologias se amplificam e evoluem, o método também tem sua necessidade de evoluir.
O curso de Microfisioterapia é ministrado em diversos países do mundo, como França, Canadá, EUA, Portugal, Alemanha, Rússia, Bélgica e etc. Atualmente existem mais de 5.000 profissionais atuando, sendo que no Brasil, o número de profissionais cresce expressivamente. O método da Microfisioterapia é ministrado somente para Médicos e Fisioterapeutas, além de Médicos Veterinários, que são ensinados a aplicar o método em animais.


autor: Dr. Renan Boucault

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Teste: Sua tireóide está saudável?

TESTE: SUA TIREÓIDE ESTÁ SAUDÁVEL?
O papel da glândula tireóide no nosso organismo é muito importante pois ela produz hormônios que regulam nosso metabolismo.

Quando ela não funciona direito, todo o corpo pode sentir.Algumas pessoas, ainda, têm uma disfunção nesta glândula e demoram muito para descobrir.


Um sinal de alerta do mau funcionamento da tireóide é a dificuldade de perder peso, que nos remete ao hipotireoidismo.


Entretanto, existe um teste caseiro muito simples capaz de detectar se existe uma hiperfunção ou diminuição no funcionamento dela. É necessário um termômetro, de preferência, um de mercúrio pois é mais preciso.


Vá dormir e deixe o termômetro ao lado de sua cama.
 Ao acordar, a primeira coisa que você vai fazer será colocá-lo em uma de suas axilas, por 10 minutos. Faça isso sem sair da cama, comer ou falar. É importante se manter sem atividade enquanto está com o termômetro. Assim, você medirá a temperatura mais baixa do seu corpo durante o dia, que se correlaciona com a função da glândula tireoide. Após os 10 minutos, anote a temperatura num papel. Repita por 4 dias para comparar os valores.
A temperatura deve estar entre 36,5 graus Celsius e 36,8 graus Celsius. Isto indica a normalidade do órgão.

Se a temperatura do seu corpo estiver abaixo de 36,5 graus Celsius isto indicará um hipotireoidismo.


Se a temperatura do seu corpo estiver acima de 36,8 graus Celsius, e se você não estiver com nenhuma infecção, isto indicará um hipertireoidismo.
Se os valores estiverem entre 36,5 e 36,8 graus Celsius, marque uma consulta com seu médico.

Os principais sintomas do hipotireoidismo são cansaço, depressão e aumento de peso.


Os principais sintomas do hipertireoidismo são nervosismo, insônia e perda de peso.
Microfisioterapia: Se existe uma disfunção da glândula tireóide e esta disfunção é detectada logo no início, é possível reverter este quadro.
Ainda, que o paciente já tenha uma hipo ou hipertireoidismo já instalada há algum tempo, com a técnica de Microfisioterapia é possível aliviar os sintomas decorrentes da disfunção.


quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Ansiedade


Microfisioterapia “Corpo e mente em perfeita harmonia”



A Microfisioterapia é uma técnica de terapia manual que consiste em identificar a causa primária de uma doença ou sintoma e estimular a autocura do organismo, para que o corpo reconheça o agressor (antígeno) e inicie o processo de eliminação.

Essa agressão primária deixou traços (cicatrizes) que atrapalham o funcionamento das células, esses traços ficaram guardados na memória do tecido, por uma deficiência do sistema imunológico que não conseguiu eliminar o agressor.

Em 1983, foi desenvolvida na França a técnica de Terapia Manual, pelos fisioterapeutas e osteopatas Daniel Grosjean e Patrice Benini.

Seu embasamento teórico iniciou pelos estudos da embriologia, filogênese e ontogênese. Com essas informações, desenvolveram mapas corporais específicos e gestos manuais suaves (micropalpação) que permitem identificar a causa primária de uma doença ou disfunção, promovendo o equilíbrio e manutenção da saúde. A Abordagem Manual é realizada seletivamente por camadas específicas do corpo.

Por que a Microfisioterapia pode me ajudar?

Diariamente, o nosso corpo luta contra agressões de todas as naturezas e diferentes intensidades, provindo do exterior (micróbios, toxinas, choques físicos ou emocionais) ou o interior (fraqueza de um órgão, cansaço, problemas existenciais). Geralmente, o nosso organismo autocorrige- se em silêncio sem que seja percebido. Contudo, se as infrações não forem identificadas, não reconhecidas ou muito fortes, o corpo não pode reagir de forma eficaz: a agressão deixa então uma espécie “cicatriz” nos tecidos, uma memória do acontecimento.

A Microfisioterapia vai ajudar na eliminação natural dessas memórias que enfraquecem o nosso organismo. Quando liberado o obstáculo, o corpo vai então poder reencontrar as capacidades que perdeu, às vezes, mesmo após anos.

Indicações

• Dores Crônicas; 
• Alergias; 
• Enxaquecas; 
• Distúrbios Hormonais; 
• Ansiedade; 
• Distúrbios de sono; 
• Fobias; 
• Falta de atenção e concentração; 
• Depressão; 
• Fibromialgia; 
• Problemas Urogenitais; 
• Hiperatividade; 
• Distúrbios em Crianças e recém nascidos; 
• Prevenção de Doenças.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Corpo e mente


A microfisioterapia pode ajudar


O Acesso às Emoções pelo Corpo é mais fácil do que pela Linguagem Verbal

Nossa vida mental surge de uma luta constante para equilibrar os "cérebros" cognitivo e emocional. Por um lado, há um cérebro cognitivo- consciente, racional e voltado para o mundo exterior. Por outro, o cérebro emocional- inconsciente, antes de tudo preocupado com a sobrevivência e, acima de tudo, unido ao corpo. Embora os dois  "cérebros" estejam altamente conectados e dependem constatemente um do outro, visando a um funcionamento integrado, cada qual contribui de modo diverso para a nossa experiência de vida e para o nosso comportamento.
Como Darwin tinha previsto, o cérebro humano compreende duas partes principais. No fundo do cérebro, em seu centro, está o velho cérebro primitivo, que temos em comuns mamíferos, e, em seu núcleo, o que temos em comum com os répteis. Esse cérebrofoi a primeira camada depositada pela evolução. Paul Broca, o renomado neurologista francês do século XIX, quem primeiro descreveu, chamou-o de cérebro límbico. Ao redor deste em anos de evolução uma camada muito mais recente se formou .É o ''novo" cérebro, o " neocórtex", o que significa " nova casca" ou "novo invólucro".
O cérebro límbico é constituído pelas camadas mais profundas do cérebro humano.De fato, de certo modo, ele é um  "cérebro dentro do cérebro ".Uma imagem feita em um laboratório de neurociências cognitivas na Universidade de Pittsburgh, ilustra claramente essa idéia.Quando voluntários receberam uma injeção de uma substância que estimulava diretamente a área do cérebro responsável pelo medo ( uma região conhecida como "amígdala" ), vimos o cérebro emocional ativar-se.O e semelhante ao de uma lâmpada acendendo.Enquanto isso , o neocórtex ao redor do cérebro límbico não demonstrou nenhuma atividade.
O cérebro emocional tem uma organização muito mais simples do que o neocórtex. Ao contrário deste, a maioria das áreas do cérebro límbico não está organizado em camadas regularesde neurônios que o capacitariam a processarinformações.Ao contrário , em algumas de suas áres centrais- como amígdala- os neurônios parecem ter se juntado ao acasso.Devido a essa estrutura mais rudimentar, o cérebro emocional processa informaçõesde modo muito mais primitivo do que o cérebro primitivo do que o cérebro cognitivo, mas ele é muito mais rápido e ágil para garantir nossa sobrevivência.É por isso que, por exemplo , em uma floresta escura, um pedaço de pau parecendo uma cobra aciona uma reação de medo.O mecanismo de sobrevivência do cérebro emociona lacionará a resposta que julgar melhor baseado em informaçõesis, incompletas e às vezes errôneas.Até o tecido celular do cérebro emocional e diferente do neocórtex.
O cérebro límbico é um posto de comando que recebe informações de diferentes partes do corpo.Ele responde regulando o equilíbrio fisiológico do corpo. Respiração, batimento cardíaco, pressão sanguínea, apetite, sono, impulso sexual, secreção hormonal e até mesmo o sistema imunológico.O papel do cérebro límbico parece ser o de manter essas diferentes funções em equilíbrio.   "Homeostase " é o nome que o pai da moderna fisiologia, o cientista Claude Bernard, deu a esse estado de harmonia entre todas as funções fisiológicas. É o equilíbrio dinâmico que nos mantém vivos.
Desse ponto de vista, como intuíra o filósofo do séc. XVII Spinoza- e o Dr. Damásio descreveu com grande clareza-, nossas emoções talvez não sejam mais do que experiências conscientes de um vasto conjunto de reações fisiológicas supervisionando e continuamente ajustando a atividade dos sistemas biológicos do corpo às exigências do nosso ambiente interno e externo. O cérebro emocional está, portanto, quase mais intimamente relacionado ao corpo do que o cérebro cognitivo. E é por isso que é muito mais fácil acessar emoções pelo corpo do que pela linguagem verbal.
(Fonte: Livro - Curar - Dr David Servan-Scheiber)